Benefícios da Tapioca: Rica em fibras, proteínas e carboidratos

No Norte e no Nordeste, a tapioca faz parte do café da manhã de muitos moradores, desde sempre.

Mas quem poderia imaginar que aquela goma de mandioca que tanta gente come com manteiga de garrafa, leite condensado, queijo coalho, carne seca ou goiabada, faria sucesso entre os adeptos de uma alimentação saudável

A ideia de substituir o pão branco pela tapioca não é nenhuma novidade.

Os índios tupi-guarani já usavam a raiz como alimento bem antes da colonização.

Quando os portugueses descobriram o Brasil, logo perceberam que a goma era um bom substituto para o pão e, por influência dos escravos, ganhou recheios de coco e carne seca.

De lá pra cá, a tapioca manteve a sua importância na culinária brasileira, mas foi a moda das dietas sem glúten que a fez ganhar fama de aliada da boa forma.

Rica em carboidratos, a tapioca não tem glúten, sódio e não leva gordura nem no preparo.

Por outro lado, é pobre em fibras, proteínas e é um alimento de alto índice glicêmico (115).

O índice glicêmico é um fator que diferencia os carboidratos, pois cada tipo “entra” na corrente sanguínea com diferentes velocidades.

Um alimento com baixo índice glicêmico, como a batata doce, tem liberação lenta, com poucas alterações glicêmicas. Já um alimento com alto índice glicêmico, como a tapioca, tem liberação rápida e provoca uma hiperglicemia.

Este quadro estimula a liberação do hormônio insulina, visando controlar os níveis glicêmicos.

Dependendo da quantidade de alimentos de alto índice glicêmico que comemos, pode ocorrer uma hipoglicemia de rebote.

Um dos principais sintomas da hipoglicemia é justamente a falta de energia, ou seja, tudo o que um praticante de atividade física não deseja durante o exercício.

Portanto, caso você sinta esse sintoma durante o treino após o consumo da tapioca, você teria duas opções.

Introduza um suplemento fonte de carboidratos durante o treino (waxy maize) ou substitua a tapioca por batata doce ou outro alimento com baixo índice glicêmico.

Em resumo, o índice glicêmico é um indicador para sabermos quais os alimentos devemos comer para evitar o sobe e desce abrupto da glicemia.

No caso da tapioca, mesmo tendo um alto IG, quando consumida junto com alimentos ricos em fibras e proteínas não provoca a hiperglicemia, pelo menos não tão intensamente.

Para controlar o IG de uma refeição com tapioca, a dica é rechear a massa com proteínas (frango, claras de ovos, atum) e um pouco de fibras (vegetais).

Do ponto de vista da nutrição esportiva, os melhores horários para comer tapioca são no café da manhã, no pré-treino (entre 1 e 2 horas antes) e no pós treino (até 1 hora após).

Via de regra, esses três momentos do dia são os que necessitam de um maior aporte na ingestão de carboidratos.

Para quem faz atividades físicas moderadas e quer perder gordura corporal eu recomendaria a ingestão de alimentos fonte de carboidratos com baixo IG, como a batata doce ou a aveia, por exemplo, ao invés da tapioca.

Se o objetivo é melhora da performance e/ou ganho de massa muscular a dieta pode ser mais rica em carboidratos.

Neste caso, a tapioca acaba sendo uma boa alternativa para variar o cardápio.

Ou seja, mais uma vez, tudo dependerá de cada caso!

A tapioca possui também uma elevada concentração de carboidratos.Configurar imagem destacada

Uma tapioca pequena, com 50 gramas, contém 43 gramas de carboidratos.

Já a mesma quantidade (50 gramas) de batata doce cozida, possui em torno de 12 gramas desse nutriente.

Por isso, calcule bem as quantidades antes de sair consumindo a tapioca toda hora.

De um modo geral, a tapioca é, sim, uma boa alternativa para substituir o pão branco, por ter rápida digestibilidade, menos calorias e nada de sódio.

Agora, quem troca o pão pela tapioca, pensando apenas na quantidade de calorias, pode cometer o mesmo erro de quem tira o glúten da dieta e passa a comer alimentos sem fibras.

Equilíbrio e bom senso só fazem bem.

Antes de adicionar ou excluir algum alimento do seu cardápio é importante verificar se a dieta da moda tem todos os nutrientes que o seu corpo precisa, por isso, consulte sempre uma Nutricionista.

 

Autor do artigo – Rodolfo Peres – Nutricionista Esportivo